Príncipe Charles é membro de uma tariqa?

Professor Olavo de Carvalho alertou por décadas que o Príncipe Charles era membro de uma tariqa muçulmana, enquanto muitos riam dele.



Um artigo recente sobre o príncipe Charles aprendendo árabe para realizar um estudo mais profundo do Alcorão criou muito burburinho na mídia britânica.


A matéria levantou rumores mais uma vez sobre o profundo fascínio do herdeiro do trono britânico pelo Islã. Uma década atrás, críticos do extremismo islâmico já estavam cheios de medo de que o príncipe Charles já tivesse se convertido ao islamismo.


O que está por trás dessa atração pelo Islã? O que o Islã está se mostrando tão atraente para o próprio príncipe Charles? Para responder a essa pergunta, vamos ouvir um pouco do que ele tem a dizer.



Charles aborda o Islã não apenas através da perspectiva das ameaças à segurança e das crises internacionais, mas com um discurso como um corpo de "ensinamentos espirituais":

O mundo islâmico é o guardião de um dos maiores tesouros de sabedoria acumulada e conhecimento espiritual disponível para a humanidade.

Grande parte de sua atração pelo Islã, na verdade, vem dos insights do Alcorão que identificam o cosmos natural como um local onde Deus é revelado e experimentado:

Há uma verdade profunda naquele ditado aparentemente simples e antigo dos nômades – que “a melhor de todas as mesquitas é a própria natureza”.

O que é uma tariqa e como ela funciona?