Marco Rubio pede alerta vermelho da Interpol para prender Nicolás Maduro

Atualizado: 20 de jun.

O senador dos EUA Marco Rubio pediu ao procurador-geral dos EUA, Merrick Garland, que solicite um alerta vermelho da Interpol para a prisão do venezuelano Nicolás Maduro, para que ele possa ser levado aos Estados Unidos para enfrentar acusações de tráfico de drogas. Maduro está atualmente fora de seu país, no meio de uma turnê internacional alegando representar a Venezuela, embora os Estados Unidos e um grande número de países o acusem de roubar a eleição presidencial de 2019, disse o senador em uma carta também endereçada ao secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas:

Como você sabe, Maduro é um criminoso acusado de fazer parceria com organizações terroristas para usar drogas ilegais como armas contra os Estados Unidos. No interesse da segurança nacional dos EUA e da estabilidade regional, Maduro deve ser julgado por seus crimes contra o povo venezuelano”, disse Rubio na carta obtida pelo Miami Herald.


O Departamento de Justiça acusou Maduro e 13 outros altos funcionários do regime, de transformar a Venezuela em um narcoestado. No anúncio feito pelo então procurador-geral William Barr, os EUA ofereceram uma recompensa de US$ 15 milhões pela captura de Maduro e US$ 10 milhões para os outros membros do regime, acusando-os de liderar o cartel de drogas The Suns. As principais figuras venezuelanas acusadas incluem o número dois do regime, Diosdado Cabello e o ex-vice-presidente Tareck El Aissami, bem como o ex-chefe de inteligência Hugo Carvajal e o general Clíver Alcalá.


Alcalá e Carvajal já foram detidos, sendo que o primeiro teve ordens contra ele em Nova York e o segundo foi detido na Espanha, resistindo a um pedido de extradição apresentado pelos Estados Unidos. Mas apesar das acusações feitas contra ele, Maduro continua usando a presidência usurpada da Venezuela para desfrutar dos benefícios diplomáticos do cargo.

Ele está atualmente em uma turnê por países asiáticos e africanos, todos membros da Interpol, disse o senador republicano da Flórida


Até hoje, Maduro ainda aproveita seu controle sobre a máquina do Estado venezuelano para manter seu império criminoso”, disse ele.


As acusações contra Maduro e seus seguidores se baseiam “na longa história do regime de desvio de recursos e riquezas nacionais que pertencem por direito ao povo venezuelano, apoio a organizações terroristas internacionais como o Exército de Libertação Nacional (Ejército de Liberación Nacional) e apoio a uma política de décadas de inundar os Estados Unidos com cocaína e outras drogas ilegais”, acrescentou Rubio.