Elon Musk diz que 'ninguém na mídia se importa' em expor clientes de Jeffrey Epstein

A pessoa mais rica do mundo criticou a mídia por estar desinteressada em investigar os supostos clientes da suposta quadrilha de tráfico sexual dirigida por Jeffrey Epstein e Ghislaine Maxwell.


Em uma série de tuítes em 4 de junho, o CEO da Tesla e da SpaceX, Elon Musk, disse que é “notável” como o Departamento de Justiça dos EUA não publicou a lista de clientes do criminoso sexual condenado Epstein e sua colaboradora Maxwell, uma traficante sexual condenada. A dupla foi acusada de adquirir, traficar e abusar sexualmente de uma vasta rede de menores de 11 anos.


O que é mais “notável”, disse Musk, é que “ninguém na mídia se importa” com o caso Epstein-Maxwell.


Embora Epstein e Maxwell tenham sido acusados ​​de operar uma rede de tráfico sexual infantil, nenhum de seus clientes foi acusado.


De acordo com alguns sobreviventes de abuso, os clientes da rede incluem políticos poderosos, empresários e outros líderes influentes que, desde que o escândalo de Epstein estourou, tentaram se distanciar do financista.


Epstein, que em 2008 foi condenado e sentenciado por solicitar prostituição de um menor, foi encontrado morto em uma prisão federal de Nova York em agosto de 2019. Na época, ele aguardava julgamento por acusações de tráfico sexual por abusar de mulheres e meninas em Manhattan e na Flórida. de 2002 a 2005.


O Instituto Médico Legal da cidade de Nova York decidiu que sua morte foi suicídio por enforcamento. No entanto, um patologista forense que foi contratada por seu irmão, Mark Epstein, disse que a autópsia de Epstein era mais indicativa de homicídio, não de suicídio.