Chile vive escalada da violência

Até a ministra da Defesa já teve sua casa invadida e família agredida no Chile. Aumento da violência em alguns países do continente tem coincidido com mudança política.


A escalada da violência no Chile não para de crescer. O aumento da criminalidade, tanto em número como em gravidade, são reconhecidos pelo próprio governo socialista de Gabriel Boric. O momento que é considerado “o pior momento de segurança desde o retorno à democracia“, pelo próprio subsecretário de Prevenção do Crime, Eduardo Vergara, não tem poupado nem as autoridades do governo socialista que está no poder no país.


A própria ministra da Defesa do Chile, Maya Fernández Allende, teve sua residência assaltada na noite de sexta-feira (13/05). Maya comanda a pasta que reúne as forças armadas do país. Além do episódio com a ministra, um dos seguranças do presidente Gabriel Boric recebeu um tiro em outra ação criminosa em Santiago.


A ministra é neta de Salvador Allende, o ex-presidente socialista que se suicidou em 1973 e foi sucedido pelo regime militar de Augusto Pinochet (1973-1990). Ela não estava em sua residência no momento do assalto, mas os criminosos agrediram seu filho e ameaçaram seu marido.


Ocorreu um assalto no imóvel da ministra da Defesa, onde se encontravam o seu marido e um de seus filhos. Como resultado deste crime, sujeitos desconhecidos levaram dinheiro e também um veículo“, revelou o chefe de polícia Jean Camus.


Também na sexta-feira, um dos seguranças da equipe do presidente socialista Gabriel Boric foi assaltado e recebeu um tiro no braço, quando se encontrava dentro de um veículo oficial da Presidência.


O sargento dos Carabineiros estava sozinho no veículo e retornava ao palácio presidencial La Moneda para deixar o veículo. Os elementos o abordaram e o teriam conduzido para uma localidade na zona norte de Santiago. Ele recebeu um tiro, e foi deixado em uma rua. Os criminosos fugiram com o automóvel.