Alexandre de Moraes advogou para o PCC, diz site oficial do PT

Atualizado: 29 de mai.

Em 2016, o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes foi acusado de "advogar para o PCC", segundo site oficial do Partido dos Trabalhadores.


O link do site oficial do PT ainda está acessível (26 de maio de 2022) AQUI. Caso eles retirem a matéria do ar, existem oito links do site salvos no Archive público (clique aqui para acessar o link salvo).


A matéria do maior partido comunista brasileiro, vai além e diz que Moraes é "conhecido repressor dos movimentos sociais", "foi responsável por maquiar dados sobre homicídios no Estado".


Reportagens divulgadas pela imprensa em 2015 denunciaram que o futuro ministro aparecia, no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, como advogado em pelo menos 123 processos na área civil em favor da Transcooper. Aparentemente, nenhum problema, a não ser pelo fato que a empresa é citada em um investigação que apura formação de quadrilha e lavagem de dinheiro do PCC.

A lista de acusações do site do PT continua: "Moraes também defendeu um ex-diretor da Siemens envolvido no esquema de propinas do cartel de trens em São Paulo, o Trensalão. Também já conseguiu a absolvição de Eduardo Cunha uma ação sobre uso de documento falso pelo deputado".


A matéria é assinada pela "Agência PT de Notícias" e jamais virou alvo do STF ou de Alexandre de Moraes, o qual trabalhou anos ao lado do vice-candidato de Lula, Geraldo Alckmin. Como todos os alvos de Moraes são apoiadores do presidente Bolsonaro, não é difícil imaginar a razão da seletividade de Moraes.


O protagonismo de Alexandre de Moraes teve início na censura à Revista Crusoé, continuou após o espastelamento do Terça Livre no Brasil e tende a crescer devido ao fato dele ser o próximo presidente do TSE.